sábado, 17 de julho de 2010

TOLERÂNCIA ZERO

Candidato a governador sofre rejeição por causa de secretária

Estive almoçando, hoje, 17, com representante da clase médica trabalhadora do RN e quando entramos na seara do campo político fiquei estarrecido com o que ouví. Segundo este médico, a classe médica quer ver o capeta mas não quer nem ouvir falar o nome da ex secretária de saúde, do governo municipal de Carlos Eduardo Nunes Alves, senhora Aparecida França (PC do B).
"O candidato a governo do estado do RN, Carlos Eduardo, não terá um só voto sequer do profissional de medicina por motivo do mesmo ter dado carta branca para a ex secretária de saúde do seu governo, Aparecida França, fazer as aberrações de execração pública e desorientadas ações contra os médicos do RN", disse o médico declarante (prefiro não informar seu nome para preservar sua indentidade). "Esta senhora cometeu verdadeiros desatinos acusatórios, como se o médico fosse responsável pela frágil estrutura de saúde do estado e do município, com seus poderes emanados do chefe maior da administração pública municipal, não possuindo a verdadeira competência para identificar aonde estava o foco dos reais problemas que causam a ineficiência do sistema de saúde potiguar. A classe médica sofreu neste período. O prefeito Carlos Eduardo nos prometeu que a substituiria para o período do seu segundo mandato. Mas, infelizmente, ele a manteve, inexplicavelmente, por mais quatro anos", concluiu.