sexta-feira, 16 de outubro de 2009

ENTREVISTA: PAULO LOPO SARAIVA

Dr. Paulo Lopo Saraiva é advogado constitucionalista, conhecido nacionalmente, professor universitário e ex candidato a vice prefeito de Natal, ao lado de Dr. Joanilson de Paula Rego, pelo Partido Social Democrata Cristão (PSDC).
Nesta curta entrevista, Paulo Lopo fala das eleições, de política partidária e da legenda a qual pertence.

Marcos Bezerra – Atualmente, qual a análise que o senhor faz das eleições 2008 em Natal?
Paulo Lopo Saraiva – O processo eleitoral em Natal transcorreu em clima de tranqüilidade. É o que todo cidadão deseja. Vejo que conseguimos um lugar de destaque no cenário político potiguar. Entramos com quase nada, em matéria de estrutura, em relação aos nossos concorrentes, e galgamos o quarto lugar na preferência do eleitorado natalense. Hoje temos a convicção das nossas responsabilidades político/eleitoral; pois, gozamos da confiança de mais de trinta mil cidadãos eleitores, em todo o RN, em razão da credibilidade que transmitimos ao povo. Em Natal, perdemos apenas para quem tem mandato. Nós não tínhamos e nem temos mandato. E a nossa pretensão, em 2010, é fazermos um deputado estadual.

MB – Como candidato, que tipo de experiência foi adquirida?
PLS – Somei muita prudência e capacidade de ouvir as pessoas. A maior lição foi a solidariedade. Hoje, sou mais solidário. Compreendi os problemas que tanto afligem o povo.

MB – O resultado da eleição/2008, em Natal, foi justo com a eleição da prefeita Micarla de Sousa?
PLS – Justo, mesmo, teria sido Dr. Joanilson/prefeito. Mas, quando o povo quer e decide, numa democracia, essa decisão é soberana. Entretanto, acredito que, em função da decisão do povo, é justo “Micarla/prefeita”. No entanto, Micarla foi beneficiada pela infeliz atuação do presidente da república, Luiz Inácio “Lula” da Silva, em Natal, quando, em defesa da sua candidata, atacou à oponente. Esses ataques cambiaram votos, que pertenciam a Dr. Joanilson, para eleger Micarala de Sousa “prefeita”. Muita gente que ia votar em Joanilson, com raiva dos ataques do presidente, deixou de votar no 27 e resolveu votar, em Micarla/43, para resolver tudo logo no primeiro turno em represália ao discurso do presidente.

MB – Se o senhor tivesse um mandato na mão, que providências tomariam?
PLS – Faria um diagnóstico geral dos problemas de cada bairro de Natal procurando resolvê-los, gradativamente. Não prometeria nada que não pudesse fazer. O político deve ter duas qualidades: energia e coragem e só prometer o que pode fazer. Entre a votação e a reputação, eu prefiro ficar com a reputação. Se algum eleitor acompanhou a campanha política, direitinho, anotando as promessas feitas pela prefeita, enquanto candidata, agora tem que cobrar dela, as promessas feitas, durante a sua gestão frente à prefeitura de Natal.

MB – O PSDC ainda pode surpreender? Em que aspecto? O que falta para ele emplacar como partido forte?
PLS – O PSDC tem que ter pelo menos um deputado federal. Nós precisamos exigir do diretório nacional uma maior mobilização no sentido de que a legenda, lá em São Paulo e em outros estados mais ricos que o nosso, também, elejam um representante no legislativo federal. Pode ser até o próprio presidente nacional, José Maria Eymael, que já foi deputado constituinte. Paralelamente, ás mobilizações nacional, temos que divulgar o nosso plano de governo através do estado do RN. E o que é fundamental: termos quadros que possam disputar às eleições/2010 que é uma competição forte. Neste sentido, temos trabalhado de forma que várias pessoas, politicamente forte, estão se filiando ao PSDC. Já possuímos um quadro bastante consistente.
Aproveito a oportunidade que me é dada para agradecer a todos que votaram em nós (PSDC). Em 2008, tivemos uma participação ética e exemplar. Espero que em 2010 o povo possa compreender a nossa linguagem política e nós possamos corresponder. Obrigado.