domingo, 30 de agosto de 2009

SUCESSÃO AO SENADO

Institutos de pesquisas ignoram Pré-candidatura de Dr. Joanilson ao Senado

Mesmo divulgado por alguns meios de comunicação, escrito e televisado, de que Joanilson de Paula Rego, também, é pré-candidato ao senado, os instituto de pesquisa o ignoram em suas listas
De acordo com as mais recentes pesquisas de intenções de votos dos eleitores potiguares, os institutos de pesquisas, Ibope, Setas e outros divulgaram pesquisas feitas para o Senado brasileiro nas quais expõem resultados percentuais de possíveis políticos que serão candidatos nas disputas de duas cadeiras ao Senado brasileiro identificando-os, um a um, com seus respectivos valores em percentagens, mas, incorrendo no erro de omitir o nome do Dr. Joanilson de Paula Rego, advogado e ex-candidato a prefeito de Natal, nas suas listas de pesquisas. Principalmente, na pesquisa estimulada que é aquela em que o instituto coloca os nomes para o eleitor escolher.
Para o presidente do Diretório Municipal do PSDC/Natal, Marcos Bezerra, isso não é a primeira vez que tal fato acontece. E falou: “Acompanhamos os resultados das pesquisas, para o senado, divulgados pelos institutos, e de imediato sentimos a falta da não inclusão do nome do Dr. Joanilson de Paula Rego na relação dos pré candidatáveis ao senado. Não é a primeira vez que isso acontece. Em todas as campanhas em que Joanilson candidatou-se, tem virado rotina. Sempre recorremos à justiça para fazer valer a isonomia política. E desta vez, não está sendo diferente. O advogado da nossa legenda, Dr. Daniel Monteiro, já está comunicando a todos os institutos de pesquisas, sobre a intenção dos membros do PSDC para que os mesmos tomem ciência e incluam o nome de Dr. Joanilson nas próximas relações”
Como se sabe, as pesquisas funcionam também como indutoras de votos. Mas, mesmo assim, não se pode deixar de fora uma pessoa que só na Capital, obteve em torno de 10.000 votos na eleição passada. Ouvido, Gabriel Andrade assim se expressou: “O que dói é o tratamento desigual. Isto tira a beleza da democracia. E produz injustiça”.